1. Usuário
Assine o Estadão
assine

VIOLÊNCIA

Protesto contra a Copa tem tumulto e depredação

Veja imagens da manifestação que levou cerca de quinze mil pessoas às ruas de SP nesta quinta-feira, 15, e terminou com violência e depredação

23 DE Julho DE 2014
22 DE Julho DE 2014

violencia
Missão da ONU deixa Líbia por falta de segurança Chacina deixa mortos em Carapicuíba, na Grande São Paulo Cadeia. 70% dos que deixam nosso sistema penitenciário voltam ao crime Concessionária destruída foi inaugurada há uma semana Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
Missão da ONU deixa Líbia por falta de segurança
Veículos queimados próximos ao aeroporto internacional de Trípoli
Chacina deixa mortos em Carapicuíba, na Grande São Paulo
Grupo foi atingido por homens que saíram de um carro, na Vila Santa Terezinha. Três pessoas morreram no local e duas no hospital (foto: Michelle Sprea/Sigmapress)
Cadeia. 70% dos que deixam nosso sistema penitenciário voltam ao crime
Cadeia. 70% dos que deixam nosso sistema penitenciário voltam ao crime
Concessionária destruída foi inaugurada há uma semana
Concessionária destruída foi inaugurada há uma semana
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
Nas prisões, parentes de suspeitos de participar dos ataques acusam o Estado de fazer prisões arbitrárias para dar uma resposta à sociedade. A cozinheira Lucicleide Melônio do Nascimento, de 39 anos, afirma que o filho dela, Luís Gustavo, de 18, foi preso injustamente sob suspeita de atirar em uma delegacia. "Ele ia prestar concurso. Agora, apareceu em rede nacional, já foi condenado."
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
A ministra disse ainda que o governo federal está disponível para ajudar, mas o restabelecimento de uma situação de normalidade é tarefa das autoridades do Estado, comandado pela governadora Roseana Sarney (PMDB). "É uma situação gravíssima, dentro das penitenciárias e fora. Estamos dispostos a contribuir, mas não somos os gestores do sistema."
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), Maria do Rosário, disse na terça-feira, 7, caber ao governo do Maranhão solucionar a violência dentro e fora dos presídios. Para ela, as medidas de autoridades locais foram "insuficientes para preservar a vida" dos presos, apesar de sucessivos alertas do governo federal, e cabe a elas a "retomada adequada do controle". Conforme a ministra, a SDH recebeu, desde 2011, relatos de 31 situações graves em Pedrinhas, repass
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
Luiza afirma que a ajuda do governo federal e de outros órgãos é fundamental. "Não tem como resolver sozinho essa situação. É preciso conjugar esforços, para que não aconteça mais", disse. O governo estadual tenta mostrar que faz a sua parte prendendo suspeitos.
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
A secretária estadual de Direitos Humanos e Assistência Social, Luiza de Fátima Amorim Oliveira, admite o que o governo errou. "Infelizmente, nós falhamos, houve um erro de gestão nesse sentido", disse ela, que foi ao enterro ontem da menina Ana Clara de Sousa, de 6 anos, que estava em um ônibus incendiado por criminosos e teve 95% do corpo queimado.
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
O problema da violência no Maranhão dentro e fora dos presídios se agravou a partir de 2010, quando foi anunciada pelos presos a criação do Primeiro Comando do Maranhão (PCM). A facção rival, Bonde dos 40, surgiu logo na sequência. O enfrentamento entre os grupos se acentuou nos meses seguintes, em um ambiente penitenciário sem controle.
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
Apesar da superlotação, contudo, o Estado tem 100,6 presos por 100 mil habitantes, a menor proporção do Brasil. "O modelo de segurança no Estado está falido", diz o advogado Luiz Antonio Pedrosa, da Comissão de Direitos Humanos da OAB do Maranhão. "As facções criminosas se formaram e conseguiram um amplo espaço para avançar em um Estado com problemas sociais dramáticos."
Em 13 anos, homicídio cresce 460% no Estado
O descaso, a falta de vagas e de investimento no sistema penitenciário também já vinham sendo apontados pelas autoridades, como nos mutirões feitos pelo Conselho Nacional de Justiça. As penitenciárias são precárias e superlotadas. Há 1,9 preso por vaga no sistema maranhense, o que coloca as prisões do Estado no 7.º lugar entre as mais lotadas do País.
+ fotos sobre violência »