Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 

Sudão do Sul

Série de reportagens mostra como está o país com os conflitos deflagrados em dezembro de 2013

    Adriana Carranca/Estadão

    Sudão do Sul, o jovem país que se tornou independente em julho de 2011 para apaziguar os confrontos do norte muçulmano com os cristãos sulistas - que deixaram um saldo de 2,5 milhões de mortos -, mergulha agora em uma nova guerra, redefinida por linhas étnicas.

    O Estado percorreu o país por terra desde o norte de Uganda à capital, Juba. Aqui, a série de reportagens sobre os confrontos, deflagrados em dezembro de 2013. Vinte anos após o genocídio em Ruanda, o conflito no Sudão do Sul ganha ares de novo massacre étnico.

    Adriana Carranca, enviada especial

     

    Siga o Estadão

    Koal Ter
    Marcas étnicas são sentenças de morte
    Marcas étnicas são sentenças de morte

    Cicatrizes típicas identificam os nuer como alvos no conflito

    Lados opostos
    Guerra étnica oculta interesse por riqueza
    Guerra étnica oculta interesse por riqueza

    Ex-camaradas de luta pela libertação do Sudão do Sul estão agora em lados opostos

    Fuga do conflito
    Refugiados lutam pela sobrevivência
    Refugiados lutam pela sobrevivência

    Deslocados vivem em pequenas e sufocantes barracas de plástico em campo improvisado

    Reportagem
    O caminho do ‘Estado’ até o Sudão do Sul
    O caminho do ‘Estado’ até o Sudão do Sul

    Ingresso no país é facilitado pelo governo ugandês que apoia o presidente Salva Kiir

    Mais notícias sobre Sudão do Sul

    Notícias e reportagens