Ir para o conteúdo

Steve Jobs

Cofundador da Apple | 1955 - 2011

Site da Apple publicou foto e nota informando que o co-fundador morreu - Francis R. Malasig/Efe Francis R. Malasig/Efe

Na foto, homenagem de fã a Jobs em loja da Apple nas Filipinas - "Há três maçãs que mudaram o mundo: a que Eva comeu; a que caiu na cabeça de Newton; e a que você criou".

A morte de Steve Jobs, na quarta-feira, 5 de outubro, mobilizou fãs ao redor do mundo. De Nova York a Pequim, donos de iPhones e iPads - ou apenas admiradores de um homem visionário - prestaram homenagem ao cofundador da Apple em frente a lojas da marca.

Na sede da empresa - Infinite Loop, 1, Cupertino, Califórnia -, pessoas deixaram flores, maçãs, revistas em que Jobs aparece na capa e fotografias. O clima de condolência foi completado com bandeiras da Califórnia, dos Estados Unidos e da Apple a meio mastro.

Em todos os tributos, smartphones e tablets exibiam a foto de seu criador, que deixara a presidência da Apple em 25 de agosto de 2011. Tim Cook, então diretor de operações, ocupou seu lugar. Na luta contínua contra um câncer no pâncreas, Jobs declarou, à época, que assumiria a presidência do conselho de administração da companhia.

Mas, agora, sua morte deixa não só lacunas em uma das companhias mais valiosas do mundo, como no setor de tecnologia e do mercado financeiro. A aposta de analistas é que, na ausência do espírito criativo de Jobs, seus principais rivais possam recuperar o atraso em relação aos produtores inovadores da Apple.

Uma das beneficiadas nesse contexto seria a Samsung, fabricante do tablet Galaxy Tab e do smartphone Galaxy SII, fortes concorrentes para o iPad e o iPhone 4S. A relação amigável (Apple compra componentes eletrônicos da Samsung) e a rivalidade entre as companhias colaborou para a Samsung alcançar valor de mercado de US$ 115 bilhões.

A partida de Jobs também mexe com o mercado financeiro. No primeiro dia após seu falecimento, as ações da empresa fecharam em queda de 0,23%, com os papéis precificados na média de US$ 377,37. Alguns analistas acreditam que, embora possa haver reação negativa à notícia triste, a empresa deve superar as expectativas nós próximos anos e seguir como uma das líderes do mundo tecnológico sob o comando de Tim Cook.

Biografia

Esperada para 21 de novembro, a biografia de Steve Jobs - primeira autorizada por ele - teve a data de lançamento antecipada para 24 de outubro. A decisão da editora, Simon & Schuster, ocorreu após o número de pedidos de compra da biografia aumentar drasticamente. No dia seguinte à morte de Jobs, o livro apareceu em primeiro lugar na lista dos "best sellers" da Amazon e em terceiro lugar na Barnes&Noble.

Em artigo na revista Time, o autor da biografia, Walter Isaacson, equiparou Steve Jobs a Thomas Edison e Ford. "Jobs tornou-se assim o maior executivo de nossa época, aquele que com maior certeza será lembrado daqui a um século. A história vai colocá-lo no panteão, bem ao lado de Edison e Ford."

TV Estadão

O desafio da Apple sem Steve Jobs | Mais vídeos

Empresa precisa provar que continuará revolucionária depois da morte de Jobs

DISCURSO EM STANFORD

Estadão ESPN

Urgente

Apple confirma morte de Jobs

Alexandre Mathias, do Link

'São Jobs' é um dos principais ícones do sonho americano

TV Estadão

Conheça a trajetória de Steve Jobs | Mais vídeos

Alexandre Matias, do Link, e Renato Cruz, de Economia, conversam sobre a saída de Jobs da Apple e relembram conquistas e invenções