1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Um ano de Primavera Árabe, a primavera inacabada

ESPECIAL: Onda de protestos se espalhou pelo Oriente Médio e norte da África, derrubou quatro ditadores em um ano e matou milhares

    Um ano de Primavera ÁrabeHani Mohammed/AP
    Em dezembro de 2010 um jovem tunisiano, desempregado, ateou fogo ao próprio corpo como manifestação contra as condições de vida no país. Ele não sabia, mas o ato desesperado, que terminou com a própria morte, seria o pontapé inicial do que viria a ser chamado mais tarde de Primavera Árabe. Protestos se espalharam pela Tunísia, levando o presidente Zine el-Abdine Ben Ali a fugir para a Arábia Saudita apenas dez dias depois. Ben Ali estava no poder desde novembro de 1987.

    Inspirados no "sucesso" dos protestos na Tunísia, os egípcios foram às ruas. A saída do presidente Hosni Mubarak, que estava no poder havia 30 anos, demoraria um pouco mais. Enfraquecido, ele renunciou dezoito dias depois do início das manifestações populares, concentradas na praça Tahrir (ou praça da Libertação, em árabe), no Cairo, a capital do Egito. Mais tarde, Mubarak seria internado e, mesmo em uma cama hospitalar, seria levado a julgamento.

    A Tunísia e o Egito foram às urnas já no primeiro ano da Primavera Árabe. Nos dois países, partidos islâmicos saíram na frente. A Tunísia elegeu, em eleições muito disputadas, o Ennahda. No Egito, a Irmandade Muçulmana despontou como favorito nas apurações iniciais do pleito parlamentar.

    Líbia demorou bem mais até derrubar o coronel Muamar Kadafi, o ditador que estava havia mais tempo no poder na região: 42 anos, desde 1969. O país se envolveu em uma violenta guerra civil, com rebeldes avançando lentamente sobre as cidades ainda dominadas pelo regime de Kadafi. Trípoli, a capital, caiu em agosto. Dois meses depois, o caricato ditador seria capturado e morto em um buraco de esgoto em Sirte, sua cidade natal.

    O último ditador a cair foi Ali Abdullah Saleh, presidente do Iêmen. Meses depois de ficar gravemente ferido em um atentado contra a mesquita do palácio presidencial em Sanaa, Saleh assinou um acordo para deixar o poder. O vice-presidente, Abd Rabbuh Mansur al-Radi, anunciou então um governo de reconciliação nacional. A saída negociada de Saleh foi também fruto de pressão popular.

    Veja também:
    forum Mande suas perguntas para o debate que faremos segunda às 17h
    especialMAPA:
    A revolta que abalou o Oriente Médio
    mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução

    Na foto: uma manifestante mostra a mão com os dizeres "nós venceremos" em árabe e as bandeiras da Líbia pré-Kadafi, da Síria, do Iêmen, da Tunísia e do Egito, durante um protesto em Sanaa, capital iemenita, contra o presidente Saleh, em outubro de 2011

    Créditos

    Veja também
    Debate TV Estadão
    Nasser: 'Movimentos refletem crise secular' | Mais vídeos

    Na 1ª parte, professor discute o futuro das revoltas, ainda em curso no Oriente Médio

    Lourival: 'Grupos islâmicos foram o que restou de oposição' | Mais vídeos

    Reginaldo Nasser: 'Síria não tem mais a mesma importância'

    Cukier: 'Há espaço para fissuras internas' entre sunitas e xiitas | Mais vídeos

    'Identidade religiosa tem papel crucial' nos movimentos, diz o cientista político

    'Parte econômica vai ser fundamental para sucesso de governos', diz professor | Mais vídeos

    Na 4ª parte do debate; Reginaldo Nasser fala de questões econômicas da Primavera Árabe

    'Irã passou por intensos processos revolucionários', lembra Nasser | Mais vídeos

    Para Heni Ozi Cukier, não haverá democracia no Egito sem direitos iguais às mulheres

    Lourival Sant'Anna
    Do berço da Primavera Árabe, a faísca que incendeia as ruas
    Do berço da Primavera Árabe, a faísca que incendeia as ruas

    Na Tunísia, cidadãos protestam por emprego e para definir novos rumos do país

    Tunísia
    Lourival Sant'Anna
    Seculares foram totalmente dizimados na Tunísia, Egito e Líbia | Mais vídeos

    Jornalista analisa mudanças nos regimes da Tunísia, do Egito e da Líbia

    Mesmo com pobreza e desemprego, tunisianos agora podem se manifestar | Mais vídeos

    Enviado especial conversa com moradores da cidade da Tunísia onde tudo começou

    Egito
    Violência volta ao Cairo e protestos terminam com 3 ativistas mortos
    Violência volta ao Cairo e protestos terminam com 3 ativistas mortos

    Cerca de 10 mil marcham na capital para exigir que junta militar dê lugar a governo civil

    Egito
    Gilles Lapouge
    A oportunidade perdida dos países árabes
    A oportunidade perdida dos países árabes

    Manifestações ocorreram com alegria, sem líderes, partidos, sem a 'mão do estrangeiro'

    Adriana Carranca
    Antes da Primavera Árabe, veio o inverno persa
    Antes da Primavera Árabe, veio o inverno persa

    Em nome da liberdade, iranianos tomaram as ruas em 2009, mas acabaram silenciados

    Andrei Netto
    Morte de Kadafi lança desconfiança sobre a nova Líbia
    Morte de Kadafi lança desconfiança sobre a nova Líbia

    Circunstâncias da caça ao ditador ameaçam manchar legitimidade do conselho de transição

    Gustavo Chacra
    Síria ainda vê sombras em seu futuro
    Síria ainda vê sombras em seu futuro

    Analistas temem que violência localizada possa se propagar a outras partes do país

    Solly Boussidan
    À beira do caos, Iêmen tenta se reerguer sem ditador
    À beira do caos, Iêmen tenta se reerguer sem ditador

    País enfrenta movimento separatista, radicais e instabilidade após Saleh deixar o poder

    TV Estadão
    Síria vive cenário de guerra civil | Mais vídeos

    Gustavo Chacra analisa a repressão do regime e conta detalhes da cobertura jornalística

    Primavera Árabe começou no inverno iraniano | Mais vídeos

    Adriana Carranca explica como o Irã foi 'semente' das revoltas da região

    'Bahrein é caso peculiar no Oriente Médio' | Mais vídeos

    Solly Boussidan comenta as mudanças no país e as disputas entre xiitas e sunitas

    Iêmen enfrenta problemas mesmo com a saída de presidente | Mais vídeos

    Solly Boussidan analisa a queda de Saleh relata detalhes do trabalho no país

    Autoridade Palestina buscou evitar perda de legitimidade | Mais vídeos

    Roberto Simon fala sobre as medidas de Abbas para evitar uma 'primavera palestina'

    Primavera Árabe
    Revoltas mudam face da região
    Revoltas mudam face da região

    Reis, emires e autocratas fazem concessões e abrem o bolso para evitar o fim de regimes

    Tunísia
    A Tunísia sem Ben Ali
    A Tunísia sem Ben Ali

    Primeiro país da Primavera Árabe, Tunísia elegeu partido islâmico em disputadas eleições

    Egito
    O Egito sem Hosni Mubarak
    O Egito sem Hosni Mubarak

    Irmandade Muçulmana aparece como favorito nos pleitos do país, o segundo a ir às urnas

    Líbia
    A Líbia sem Muamar Kadafi
    A Líbia sem Muamar Kadafi

    País inaugura nova era com a captura e morte do ditador, que ficou 42 anos no poder

    Os países
    Abd al-Rabuh Mansur Hadi assumiu em dezembro depois da saída negociada de Saleh - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Iêmen | Mais Fotos

    Abd al-Rabuh Mansur Hadi assumiu em dezembro depois da saída negociada de Saleh

    O presidente Bashar al-Assad está no cargo desde 2000, quando o pai, Hafez, morreu - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Síria | Mais Fotos

    O presidente Bashar al-Assad está no cargo desde 2000, quando o pai, Hafez, morreu

    O xeque Hamad al-Khalifa assumiu em 1999 após a morte do pai, que reinou por 38 anos - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Bahrein | Mais Fotos

    O xeque Hamad al-Khalifa assumiu em 1999 após a morte do pai, que reinou por 38 anos

    Kuwait - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Kuwait | Mais Fotos

    Kuwait

    Os países
    O presidente Abdelaziz Bouteflika subiu ao poder em 1999 e já se reelegeu três vezes - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Argélia | Mais Fotos

    O presidente Abdelaziz Bouteflika subiu ao poder em 1999 e já se reelegeu três vezes

    O rei Abdallah bin Abd al-Aziz al-Saud subiu ao trono em 2005 depois da morte do meio-irmão - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Arábia Saudita | Mais Fotos

    O rei Abdallah bin Abd al-Aziz al-Saud subiu ao trono em 2005 depois da morte do meio-irmão

    O sultão Qaboos teve de mudar seu gabinete antes os protestos contra a corrupção no país - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Omã | Mais Fotos

    O sultão Qaboos teve de mudar seu gabinete antes os protestos contra a corrupção no país

    O presidente Mahmud Ahmadinejad está no cargo desde 2005, reeleição foi contestada - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Irã | Mais Fotos

    O presidente Mahmud Ahmadinejad está no cargo desde 2005, reeleição foi contestada

    Os países
    O presidente Jalal Talabani foi eleito em 2005, durante a incursão dos EUA - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Iraque | Mais Fotos

    O presidente Jalal Talabani foi eleito em 2005, durante a incursão dos EUA

    Abdullah II é rei desde 1999, quando o pai, Hussein, morreu depois de 46 anos no cargo. - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Jordânia | Mais Fotos

    Abdullah II é rei desde 1999, quando o pai, Hussein, morreu depois de 46 anos no cargo.

    O presidente Michel Suleiman assumiu em maio de 2008, depois de ser eleito - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Líbano | Mais Fotos

    O presidente Michel Suleiman assumiu em maio de 2008, depois de ser eleito

    O rei Mohammed VI assumiu em 1999 após a morte do pai, Hassan II, que reinou por 38 anos - Arte/estadão.com.br
    Foto: Arte/estadão.com.br
    Marrocos | Mais Fotos

    O rei Mohammed VI assumiu em 1999 após a morte do pai, Hassan II, que reinou por 38 anos

    Mais notícias sobre primavera árabe

    Notícias e reportagens