1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Jordânia

Com concessões, rei Abdullah II administra protestos por reformas políticas e mantém reino estável

Protestos na JordâniaMuhammad Hamed/Reuters

 Primavera Árabe

Convocados pela versão local da Irmandade Muçulmana, os manifestantes jordanianos não contestavam a autoridade do rei Abdullah II, mas exigiam reformas políticas. A insatisfação também tinha componentes econômicos: inflação, desemprego e desigualdades.

O monarca, que tem poder absoluto para vetar e emendar leis e dissolver o Parlamento, reagiu com cautela às marchas populares e fez uma série de concessões. Além de anunciar subsídios que aliviaram o peso do preço de produtos como gasolina, arroz e açúcar, Abdullah II o gabinete, prometeu reformas constitucionais e eleição direta para premiê.

Os incidentes registrados na Primavera Árabe jordaniana não foram violentos, mas demonstraram a força e a insatisfação do povo. O rei, temendo maiores protestos como nos países vizinhos, atende às demandas dos manifestantes e sobrevive, mantendo o Estado sem maiores tensões.

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe

Mais notícias sobre Jordânia

Notícias e reportagens