Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 

A tensão entre Israel e o Irã

Israelenses conduziram teste de míssil e ameaçam realizar ataque militar contra o Irã para interromper programa nuclear

Reator nuclear em Arak, no Irã (15/1/2011) - Hamid Forutan/Efe Hamid Forutan/Efe

A tensão entre Israel e o Irã voltou a crescer no início de novembro depois que o Exército israelense testou um míssil que, diz, seria capaz de atingir as instalações nucleares iranianas, como a de Arak, na foto acima.

Na mesma semana, o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, intensificou sua campanha para convencer a cúpula militar a atacar o Irã. O presidente do país, o ganhador do Nobel da Paz Shimon Peres, disse ainda que a opção militar parece mais provável do que a diplomática para interromper o avanço do programa nuclear iraniano.

Tel Aviv acusa o regime do presidente Mahmud Ahmadinejad de ter como objetivo a construção de uma bomba atômica. Em resposta, Teerã disse que os "sionistas fazem ameaças vazias" e ameaçou uma "resposta esmagadora" no caso de um eventual ataque.

A comunidade internacional interferiu, procurando evitar uma ação militar israelense. A Rússia disse que um ataque seria um "erro muito sério" que levaria a mais conflitos e a mortes de civis. EUA e Europa também pressionam o governo israelense contra um eventual ataque-surpresa.

Na quarta-feira desta semana, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) vai divulgar um relatório sobre o programa nuclear do Irã. Diplomatas dizem que o documento conteria "novas evidências" sobre a existência de uma unidade de armas nucleares no país.

Um porta-voz do governo da Alemanha disse que se o relatório mostrar que Teerã "ainda não tomou nenhuma medida de fato para cumprir com seus compromissos internacionais, o governo alemão vai pedir uma maior pressão política e diplomática para que o Irã faça isso".

Veja também:
CENÁRIO: Os possíveis desdobramentos de um ataque de Israel contra o Irã

Siga o Estadão