1. Usuário
Assine o Estadão
assine

IPCA

Top News Economia: Governo corta previsão de expansão do PIB em 2014

Projeção passou de 2,5% para 1,8% e é mais otimista do que a média projetada pelo mercado, inferior a 1%. Expectativa do governo para a inflação subiu de 5,6% para 6,2%.

09 DE Julho DE 2014
08 DE Julho DE 2014

ipca
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5% Preços do chá, leite, pão francês e frutas foram os que mais subiram na alimentação Preços do chá, leite, pão francês e frutas foram os que mais subiram na alimentação
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Em 12 meses, Rio de Janeiro lidera a alta, com avanço de 7,33% da inflação. São Paulo teve quase a metade da inflação de Recife no mês de junho, oscilando 0,37%.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Regionalmente, a maior inflação foi registrada em Recife, capital onde os preços subiram 0,71% em junho. O resultado também foi influenciado pela Copa. Na cidade, a diária de hotéis aumentou 32,69%.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
A batata foi o alimento com maior queda com 11,46% em junho. Entre os alimentos consumidos fora de casa o arrefecimento de alta dos preços foi mais contido, passando de 0,91% em maio para 0,82% em junho. Refeição (de 0,96% para 0,75%), refrigerante (de 1,29% para 0,51%) e cerveja (de 0,34% para 0,01%) subiram menos.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
O tomate que já foi um dos vilões na alta da inflação no passado, este mês teve das maiores quedas.Os alimentos consumidos em casa tiveram queda de 0,60% em junho, contra uma alta de 0,41% em maio. Parte dos produtos passou a custar menos e parte subiu, mas em ritmo menor do que em maio. O tomete teve queda de 9,58% em junho.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Em contrapartida, o preço dos alimentos teve deflação no último mês. O grupo Alimentação e Bebidas registrou o terceiro mês seguido de desaceleração. Em junho, caiu 0,11%, enquanto em maio havia subido 0,58%. O grupo foi influenciado pela queda do preço da batata e do tomate.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
O início da Copa do Mundo em junho impactou diretamente a inflação. Com a alta dos preços das passagens aéreas e dos hotéis, tais itens responderam por metade da inflação do mês. Juntos, somaram 0,20 ponto porcentual da variação de 0,40% do IPCA. O preços das diárias em hotéis subiu 25,33%, contribuindo com 0,11 ponto porcentual da inflação. As passagens aéreas ficaram 21,95% mais caras, respondendo por 0,09 ponto porcentual.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Com a Selic em seu menor ponto histórico e a inflação avançando, críticos de Dilma afirmam que o Planalto tem priorizado a atividade econômica em detrimento do combate à inflação. O combate à inflação, como Dilma já declarou, “é um valor em si mesmo”, mas existem dúvidas quanto à autonomia do Banco Central para elevar os juros e trazer a inflação de volta ao centro da meta.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
O meio mais usado pelo BC para conter o aumento é a taxa básica de juros. O efeito esperado da elevação da chamada Selic é a retração da economia: como comprar acaba ficando mais caro, especialmente a prazo, a demanda diminui e a oferta aumenta, o que devolve a inflação para níveis aceitáveis. O desafio do BC é usar esse instrumento de política monetária sem comprometer muito a geração de empregos no País.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Conhecido como o indicador oficial de inflação no País, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) funciona como uma régua do Banco Central para avaliar como está o comportamento dos preços em relação à meta anual do País.Se ocorrer, por exemplo, um aumento sistemático de preços que leve o IPCA a ter uma alta acumulada em 12 meses muito próxima do teto da meta, o Banco Central, como guardião do poder de compra do brasileiro, deve intervir para controlar a escalada de preços.
Alta acumulada nos últimos 12 meses ultrapassou o teto de 6,5%
Após quase um ano abaixo do teto da meta de inflação, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) voltou a ficar acima dos 6,5% em 12 meses. O IPCA acumulou alta de 6,52% em 12 meses fechados em junho. A última vez que o indicador havia estourado o teto da meta havia sido em junho de 2013, quando fechou em 6,7%. O centro da meta do governo para a inflação é de 4,5%, sendo o piso 2,5% e o teto, 6,5%. Apesar de a inflação ter estourado o teto da meta, analistas já previam o resultado.
Preços do chá, leite, pão francês e frutas foram os que mais subiram na alimentação
De acordo com o IPCA, o preço do macarrão subiu 16,80%.
Preços do chá, leite, pão francês e frutas foram os que mais subiram na alimentação
O valor do pão francês aumentou 15,11%.
+ fotos sobre IPCA »