Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 

Feliciano na Comissão de Direitos Humanos

Notícias sobre o Deputado Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos da câmara. Vídeos de Feliciano e análises de sua gestão

    Jean Wyllys e Feliciano trocam acusações durante debate na Câmara

    Deputado do PSOL criticou marcha realizada na quarta; pastor disse que o cristianismo tem sido atacado

    06 de junho de 2013 | 16h 32Ricardo Della Coletta - Agência Estado

    BRASÍLIA - Um dia depois de subir ao palco e ser ovacionado por milhares evangélicos na manifestação liderada pelo pastor Silas Malafaia, evento que contou com ataques à comunidade LGBT, o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos, foi criticado pelos parlamentares Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Érika Kokay (PT-DF) durante um debate do qual participaram os três na Câmara.

    Veja também:
    link Em ato contra gays, Silas Malafaia diz que união homoafetiva é crime
    link Pedido de vista barra votação de projeto da 'cura gay' em comissão de Feliciano 
    link Pastor Silas Malafaia critica casamento civil entre gays

    Wyllys não se referiu diretamente ao pastor, mas condenou a marcha realizada nesta quarta-feira. "Ontem houve uma manifestação que deveria ser de valores cristãos virou algo anti-homossexual", disse, em referência ao evento promovido por Silas Malafaia.

    Feliciano, Wyllys e Érika Kokay participaram de um debate sobre o documentário "Mais Náufragos que Navegantes", do diretor Guillermo Planel, exibido no auditório Nereu Ramos da Câmara. O pastor se definiu como um "corpo estranho" no local e se disse "um aprendiz dos direitos humanos".

    Ele convidado ao debate para representar o colegiado que preside na Casa. A princípio, a organização do evento chegou a cogitar realizar uma mesa de debates com os parlamentares, a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e o diretor do filme. A posição foi revista porque poderia causar constrangimento, pois a ministra, Wyllys e Kokay são críticos à permanência de Feliciano na comissão. No final das contas, Maria do Rosário não pôde comparecer por estar em viagem oficial; os três deputados, por sua vez, ocuparam a plateia do auditório e subiram ao palco, um por vez, apenas para discursarem.

    ''Corpo estranho''. Feliciano, que chegou na parte final do documentário e pediu uma cópia do filme para "aprender mais" sobre o tema, foi o segundo a subir ao palco e confessou que se sentia "um corpo estranho" no auditório. Em seguida, sem fazer referências diretas à Jean Wyllys, o deputado do PSC alegou que existe um "ataque ao cristianismo" no Brasil. "Represento essa comunidade cristã que é atacada", alegou. Em sua fala, o pastor disse que, a princípio, havia resistido ao convite de participar do encontro, mas que aceitou pela insistência dos organizadores.

    Na sua vez de falar, Érika Kokay saiu em defesa de Jean Wyllys. "Aqui nós não podemos permitir que sejam distorcidas as palavras. O deputado Jean não veio aqui para atacar o cristianismo. Ele veio aqui para dizer que a lógica do cristianismo é da fraternidade. Um segmento não pode se apoderar dessa concepção e negar todas as outras", afirmou. De acordo com ela, é incompatível defender os direitos humanos discriminando, ao mesmo tempo, a comunidade LGBT. "Hoje, na Comissão de Direitos Humanos (presidida por Feliciano), temos que defender os direitos humanos das concepções que ali estão postas". 

    Siga o Estadão

    A eleição


    Marco Feliciano irá presidir colegiado na câmara; entenda como e porquê

    Deputado evangélico do PSC na presidência da Comissão de Direitos Humanos causa reações

    O opositor


    Sobre Feliciano: "Redes sociais estão se tornando instrumento de difamação"

    Deputado quer processar Feliciano por acusação de pedofilia publicada por assessores

    Missionário


    Feliciano vai até Bolívia para salvar corinthianos e cargo em colegiado

    Pastor sente pressão em Brasília e muda o foco para torcedores presos por homicídio

    pérolas
    As frases polêmicas do presidente da Comissão de Direitos Humanos em 2013
    As frases polêmicas do presidente da Comissão de Direitos Humanos em 2013

    "Nunca me passou pela cabeça presidir a Comissão de Direitos Humanos", entre outras

    estreia
    O primeiro ato de Feliciano
    O primeiro ato de Feliciano

    O primeiro ato de feliciano na presidência foi remover da pauta o assunto 'homofobia'

    Análise de Dora Kramer
    Chá de ostracismo
    Chá de ostracismo

    "O caso do deputado Marco Feliciano está na hora de acabar" - Leia na análise de Kramer

    Resistência


    Daqui não saio, daqui ninguém me tira - Feliciano insiste em cargo em comissão

    A bancada do PSC decide manter o deputado na presidência da Comissão de Direitos Humanos

    Vingança


    Deus matou John Lennon e Mamonas Assassinas, diz Marco Feliciano

    Pastor Feliciano justifica mortes de ex-beatle e integrantes da banda cômica com vingança divina

    Ninguém queria o posto


    Evangélicos estreiam na presidência de uma comissão de direitos humanos

    Em quase vinte anos de existência, comissão ficou sob comando de partidos da ala esquerda

    Mais notícias sobre feliciano

    Notícias e reportagens