1. Usuário
Assine o Estadão
assine

EMPREGO

Top News: criação de empregos em julho é a pior para o mês em 15 anos

A economia brasileira criou 11.796 postos de trabalho no mês passado, segundo números divulgados pelo Caged.

21 DE Agosto DE 2014
18 DE Agosto DE 2014
16 DE Agosto DE 2014

emprego
Até que ponto as empresas podem coletar dados sobre os funcionários? Brasil tem menor abertura de vagas formais para julho em 15 anos, mostra Caged Feira de emprego nos EUA - Hiring Fair For Veterans in Fort Lauderdale Carteira de trabalho Homem corta o cabelo no meio da rua em Xangai Carteira de Trabalho Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
Até que ponto as empresas podem coletar dados sobre os funcionários?
Até que ponto as empresas podem coletar dados sobre os funcionários?
Brasil tem menor abertura de vagas formais para julho em 15 anos, mostra Caged
Resultado foi influenciado por elevadas demissões na indústria
Feira de emprego nos EUA - Hiring Fair For Veterans in Fort Lauderdale
Relatório traz dados detalhados do mercado de trabalho, que incluem o total de pessoas contratadas, demitidas e que abandonaram o emprego
Carteira de trabalho
Bentes, da CNC, observa que as vendas no comércio estão desacelerando ano a ano e reduzindo o grande descolamento do varejo em relação aos demais setores da economia
Homem corta o cabelo no meio da rua em Xangai
O país publica a taxa de desemprego urbano regularmente, mas os dados são considerados falhos em capturar a situação real do mercado chinês, já que a taxa está estagnada em 4% há anos
Carteira de Trabalho
No acumulado do primeiro semestre deste ano, segundo o Caged, o mercado formal de trabalho registrou a contratação líquida de 493.118 pessoas
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
José Dirceu se identifica na portaria do edifício onde trabalhará.O expediente do ex-ministro é das 9h às 18h em atividades diversas de escritório de advocacia. Ele receberá salário mensal de R$ 2,1 mil e não poderá advogar.
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
Nessa quarta, o ex-ministro foi transferido do complexo penitenciário da Papuda, em Brasília, para o Centro de Progressão Penitenciária, estabelecimento que abriga presos autorizados pela Justiça a trabalhar fora da cadeia. Também foram levados ao CPP o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, que vai trabalhar na CUT, e o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PR), que dará expediente num restaurante - eles foram autorizados pelo Supremo Tribunal Federal a trabalhar fora da cadeia.
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
Semana passada, o STF autorizou o trabalho externo de Dirceu e derrubou decisão do presidente da Corte, Joaquim Barbosa, que havia negado o pedido, sob o argumento de que o ex-ministro não cumpriu um sexto da pena. Após anunciar aposentadoria, em maio, Barbosa deixou a relatoria do mensalão.
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
Grossi esteve na Vara de Execuções Penais para se informar sobre regras do trabalho externo. O preso deve executar apenas atividades internas e fica sob fiscalização direta do empregador. Este tem de informar ao juiz de Execuções Penais faltas e afastamentos e, todo mês, encaminhar ao CPP comprovante de frequência.
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
O ex-ministro trabalhará das 9h às 18h em atividades diversas no escritório. Receberá salário mensal de R$ 2,1 mil e não poderá advogar. No horário de almoço, poderá se deslocar até 100 metros para fazer as refeições. Para chegar ao trabalho, poderá usar transporte público ou particular.
Em regime semiaberto, ex-ministro deixa CPP para ir ao emprego
O ex-ministro José Dirceu deixou nesta quinta-feira, 3, o Centro de Progressão Penitenciária (CCP) para trabalhar no escritório do advogado José Gerardo Grossi, em Brasília. Condenado por participação no mensalão, Dirceu cumpre desde novembro uma pena de 7 anos e 11 meses de prisão no regime semiaberto.
+ fotos sobre emprego »