1. Usuário
Assine o Estadão
assine

DROGAS

Crack: a invasão da droga no interior

Estadão percorreu 6.600 km e constatou que a droga migrou para as pequenas cidades e 1/3 dos municípios de São Paulo já tem alto índice de consumo de crack

20 DE Junho DE 2014
23 DE Maio DE 2014
21 DE Maio DE 2014
20 DE Maio DE 2014

drogas
Polícia faz uma das maiores apreensões de ecstasy do ano com adolescente de 16 anos Policial descarrega drogas apreendidas do PCC Especial Denise Bogotá Especial Denise Bogotá Papa Francisco A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego A invasão da droga nos rincões do sossego
Polícia faz uma das maiores apreensões de ecstasy do ano com adolescente de 16 anos
Para a polícia, apesar de ter sido apreendida com o adolescente, a droga pertence a uma quadrilha bem organizada
Policial descarrega drogas apreendidas do PCC
Além das prisões, a polícia também cumpriu, desde sábado, 47 mandados de busca e apreensão
Especial Denise Bogotá
Adolfo López faz artesanato com potes de isopor
Especial Denise Bogotá
Quarteirão do bairro do Bronx, em Bogotá, ocupado por usuários de basuco
Papa Francisco
Papa Francisco
A invasão da droga nos rincões do sossego
Compulsão. Prazer gerado pela droga no cérebro faz usuário fumar até a exaustão e ignorar riscos. O álcool ainda supera o crack em números absolutos de atendimentos na rede pública de saúde, mas é a "raspa da canela do capeta" – também chamada de "rapadura" entre usuários por causa da aparência da pedra – que tem colocado em xeque governos municipais, estadual e federal diante do avanço da droga nas médias e pequenas cidades
A invasão da droga nos rincões do sossego
"Em cidades pequenas do interior, basta você ir e perguntar onde tem droga que todo mundo sabe. Na pracinha, vai ter umas três ou quatro pessoas vendendo. É um negócio estranho, porque a polícia sabe e acaba tendo uma falta de postura de como lidar com o pequeno traficante". Ronaldo Laranjeira, psiquiatra. O envolvimento com o crime para sustentar o vício não é exclusivo de "noias" pobres da periferia. Como droga de comércio, o crack teve rápida expansão no Estado
A invasão da droga nos rincões do sossego
Risco à saúde. 63% dos usuários fumam a droga em cachimbos improvisados e 71% trocam apetrechos. Segundo Dartiu Xavier da Silveira, do Programa de Orientação e Assistência a Dependentes (Proad), as populações de rua, miseráveis e excluídas, buscam no crack algum prazer, porque é uma droga potente e barata. "Mas ela não é exclusiva dessas populações. No meu consultório particular, atendo pessoas de classe média e alta dependentes de crack, que têm vínculos familiares, casa e emprego."
A invasão da droga nos rincões do sossego
Usuários em São José do Rio Preto. Mesmo tendo família e onde morar, dependentes têm dificuldade de interromper o vício. "A primeira vez é difícil de esquecer, mas depois que usa quer fumar até morrer." A música O Caminho das Pedras, dos rappers do grupo Zona Proibida, virou hino marginal contra o crack. Nascidos na periferia da capital paulista, onde a droga mostra seu poder de destruição desde 1989, eles cantam a síntese de histórias muito parecidas com as de quem vive ou viveu a dependência
A invasão da droga nos rincões do sossego
Casa de consumo de crack em Garça. Usuários cedem espaço em troca da droga. Diferentemente dos grandes centros urbanos, onde há concentração de usuários em ruas de áreas centrais, nos pequenos e médios municípios a pulverização é maior: minicracolândias surgem em bairros onde há tráfico, periféricos ou não, em galpões e prédios abandonados, sob viadutos, em praças e nos arredores de cemitérios
A invasão da droga nos rincões do sossego
"A gente não pode dar o primeiro trago. Se der, pode ter certeza: fica quatro a cinco dias invernado (usando a droga)", diz usuário que não quis se identificar. Passados 23 anos da primeira apreensão de crack em São Paulo, não há um levantamento detalhado e confiável que dimensione o universo de usuários da droga no interior paulista – os governos estadual e federal estimam entre 350 e 400 mil pessoas no Estado de SP
A invasão da droga nos rincões do sossego
Usuário de crack em São José do Rio Preto - Levantamento no Estado de SP revela que 1/3 das cidades relata alto índice de problema por causa da droga. "A raspa da canela do capeta." Assim era conhecido o crack quando surgiu em São Paulo, na periferia da zona leste. Subproduto sujo e barato da cocaína, a droga que deve seu nome aos estalos que emite ao ser queimada logo se tornou o prazer e a praga dos excluídos, de farrapos humanos que pouco importavam à sociedade e ao poder público
+ fotos sobre drogas »