1. Usuário
Assine o Estadão
assine

DITADURA

Zuza Homem de Mello fala de sua amizade com Taiguara

Jornalista relembra trajetória de um dos músicos mais perseguidos durante o regime militar

24 DE Junho DE 2014
30 DE Maio DE 2014
19 DE Maio DE 2014
15 DE Maio DE 2014
09 DE Maio DE 2014

ditadura
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
5 de outubro de 1988: Entra em vigor a nova Constituição promulgada pelo presidente da Assembleia Nacional Constituinte, deputado Ulisses Guimarães. Em 17 de dezembro de 1989, após 29 anos, a população brasileira escolhe o presidente da República por meio de voto direto. Fernando Collor de Mello vence Luiz Inácio Lula da Silva.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
27 de agosto de 1979: Três bombas explodem em um único dia no Rio de Janeiro. Na OAB, bomba mata a secretária Lida Monteiro da Silva. Em 30 de abril de 1981, duas outras bombas explodem no Centro de Convenções Riocentro durante show comemorativo ao 1º de maio. Um militar morre e outro fica gravemente ferido.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
16 de abril de 1984: Na Praça da Sé, em São Paulo, mais de 1 milhão no último comício das Diretas-Já. Porém em 25 de abril, a emenda para eleições diretas não é aprovada. Em 15 de janeiro de 1985, Tancredo Neves (PMDB) vence no Colégio Eleitoral, com 480 votos contra 180 do deputado Paulo Maluf. A um dia da posse é operado. No lugar assume Sarney. Três meses depois, Tancredo Neves acabaria morrendo.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 4 de novembro de 1969, Carlos Marighela, líder da ALA (Aliança Libertadora Nacional) é morto a tiros. Em 17 de setembro de 1971, o ex-capitão do Exército Carlos Lamarca (foto) e comandante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) também é morto.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 25 de outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog era morto do DOI-CODI. Versão oficial dizia que ele se suicidou por enforcamento.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 31 de agosto de 1969, uma Junta Militar governa o País após Costa e Silva ficar incapacitado por uma trombose. Em setembro do mesmo ano, acontece o sequestro do embaixador dos EUA, Charles Elbrick. No mesmo dia do sequestro, o AI-14 instaura pena de morte no País.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 13 de dezembro de 1968, militares pedem à Câmara licença para processar o deputado Márcio Moreira Alves. Parlamentares negam. No mesmo dia, o "Estado" critica regime no editorial "Instituições em Frangalhos", e é impedido de circular. Instala-se a censura dentro das redações. O AI-5 fecha o Congresso, suspende garantias constitucionais, como o habeas corpus e concede enormes poderes ao governo federal.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
27 de outubro de 1965: Castelo Branco decreta o AI-2, partidos e eleição direta para presidente são extintos. Os próximos presidentes seriam Costa e Silva (empossado em 16 de março de 1966) e Emílio Garrastazu Médici (empossado em 30 de setembro de 1969). Os generais Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo seriam empossados em 15 de março de 1974 e 15 de março de 1979, respectivamente.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 29 de março de 1968, o estudante Edson Luís de Lima Souto foi morto a tiros em confronto com a polícia, no restaurante Calabouço, no Rio. Em junho do mesmo ano, acontece a Marcha dos 100 mil (foto), quando manifestantes saíram às ruas no Rio para protestar contra a ditadura.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
9 de abril de 1964: É decretado o primeiro Ato Constitucional. Eleição para Presidente da República é marcada para 3 de outubro de 1965. Em 15 de abril de1964, o Marechal Castelo Branco assume a presidência. Em junho do mesmo ano, Juscelino Kubitschek e de mais 39 políticos são cassados.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
Em 31 de janeiro de 1961, Jânio Quadros, eleito com 5,6 milhões de voto e João Goulart, vice, tomam posse. Em 25 de agosto de 1961, Jânio renuncia. Assume então o presidente da Câmara, Ranieri Mazzilli, já que João Goulart estava no exterior. Em 7 de setembro de 1961, João Goulart assume a presidência e Tancredo Neves o cargo de primeiro ministro.
No dia 31 de março de 1964, tropas tomavam as ruas e depunham o presidente João Goulart
19 de março de 1964: Em reação às reformas de base, a "Marcha da Família com Deus pela Liberdade" reúne mais de 500 mil pessoas em São Paulo. No dia 31 de março, o golpe militar começa com o deslocamento das tropas do general Mourão Filho em direção ao Rio de Janeiro. Dois dias depois, João Goulart, deposto, parte para Porto Alegre, e de lá para o exílio no Uruguai. Ranieri Mazili assume a presidência interinamente.
+ fotos sobre ditadura »